Autoconhecimento: a arte de mudar a rota

Autoconhecimento: a arte de mudar a rota.

Durante todos esses anos, dentro do consultório, tenho escutado inúmeras histórias.

Em verdade, as pessoas querem a mudança, porém não sabem muito bem como começar.

“Lalá, eu preciso mudar. Desta forma, eu não posso mais continuar.” No entanto, nesse momento de lucidez, a decisão se torna o foco da pessoa.

Contudo, por algum período seguinte, muitas vezes, ela está novamente repetindo os mesmos erros de sempre.

Mas por que é tão difícil mudar?

Mudar, transformar, fazer diferente é algo relativamente fácil. Estes, inclusive, são direcionamentos de vida.

Com isso, manter a constância por trás da decisão de mudar é o grande desafio. Toda mudança tem como premissa que algo anteriormente esteja errado ou insuficiente.

Dessa forma, uma constante busca por evolução. Até porque, dentro de nós, há sempre um fogo interno, que conduz a fazer diferente como saída.

Enfim, qual exatamente o que é o seu impulsionador para a mudança?

Primeiramente, o que te faz perder força durante o processo. Em verdade, isso nada mais é que o seu “mindset”, sua mentalidade viciada em se manter no mesmo lugar.

Portanto, saiba que esse lugar que agora para você não é satisfatório um dia foi sua morada. Sendo assim, confortável de alguma forma.

Os reflexos da mudança de hábito

Quando seu corpo e sua mente entendem que algo diferente está acontecendo nos seus hábitos há um movimento em conjunto.

Até por isso, em razão da busca por sobrevivência, todo seu sistema busca te lembrar a velha forma confortável de antigamente.

Afinal, não era para menos. Até o presente momento esse seu jeitinho o manteve seguro de alguma forma.

Mudança e transformação

De certo modo, é possível afirmar que quando entendemos que somos mais do que a mente, conseguimos tornar as mudanças e transformações em nossas vidas mais conscientes. Dessa forma, possíveis de serem vividas.

Até por isso, sempre sugiro aos meus clientes que ao buscarem mudança iniciem pelos hábitos alimentares, bem como prática de atividade física.

Em seguida, meditação (mindfulness) e logo depois iniciar atitudes diárias que fortaleçam o objetivo traçado.

Mas você questiona esse processo?

“Lalá, na verdade, eu quero é parar de procrastinar durante o dia.” O protocolo é o mesmo!

“Eu quero é ficar mais feliz.” O protocolo é o mesmo!

“Eu quero ficar mais assertivo em minhas decisões.” O protocolo é o mesmo!

Qualquer mudança, qualquer transformação se inicia com um entendimento consciente de seus hábitos.

Contudo, não mudamos um hábito, mas, sim, o substituímos. Para quem quer se aprofundar nesse saber uma ótima leitura é “O poder do hábito”.

O poder do hábito

Inclusive, longe querer normalizar tudo isso. Sei que trata de um processo trabalhosos.

Sendo assim, para substituí-lo eu sugiro começar elevando seus níveis de dopamina e serotonina no corpo.

Esses, aliás, são passos importantes para o bem-estar. Já que mente feliz é o processo de mudança e se torna mais tranquilo e menos confuso.

Para se ter ideia, todo esse processo vem em concordância com a química belíssima corporal de bem-estar.

Sendo que é facilmente acionada quando temos uma alimentação viva, praticamos atividade física e meditamos.

A prática é sucesso?

Sob esse ponto de vista, pode-se afirmar que são inúmeros protocolos pelo mundo os quais asseguram que essa prática é capaz de apoiar qualquer mudança.

Sendo assim, caso queira mudar alguma coisa em sua vida hoje! Comece meditando, malhando e comendo bem.

Prepare-se para muito coisa boa que irá surgir, pois tudo é frequência e vibração.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.