Argentina: Mães da Praça de Maio

Argentina: Mães da Praça de Maio

“Quem é essa mulher/Que canta sempre esse lamento?/Só queria lembrar o tormento/Que fez meu filho suspirar” Angélica, composta para Zuzu Angel assassinada pela Ditadura.

Mais uma vez estamos aqui movidos e viciados em histórias de personagens, inegavelmente sobre marcas e cases que deixaram seus traços para a humanidade.

Atravessamos a fronteira, seguimos para a Argentina, assim saímos dos estádios de futebol, esquecemos Maradona e Messi e vamos contar um pouco de uma história de luta e saudades sem fim.

Meados dos anos 1970: onde estavam os jovens revolucionários do nosso país hermano, marcado por protestos e um povo que luta pelo povo?

Grito forte, bandeiras, piquetes e presença marcante nas ruas, sedentos por mudança. Aliás onde foram parar os filhos de uma Argentina dominada pela repressão dos militares?

O que restou de uma guerra política covarde, além da tristeza e uma esperança no fim do túnel? Essa é a pergunta que paira no ar e que não quer calar.

Ditadura Argentina

Primeiramente a ditadura argentina (1966-1973), das mais sanguinárias da América do Sul, deixou marcas que não se apagarão nunca – os militares assassinaram 30 mil civis, entre eles, crianças e idosos, segundo estimativas de ONGs e organismos internacionais de defesa dos direitos humanos.

Imagine o que é perder um filho ainda jovem, cheio de vida e de sonhos. Primordialmente Jovens trabalhadores, universitários e revolucionários foram torturados e arrebatados apenas por quererem um mundo melhor para todos.

No entanto, muitos desistiram e silenciaram, outros enlouqueceram, mas eles não estavam sozinhos nessa luta. “Coração de mãe nunca esquece.”

Acima de tudo é sobre elas que estamos falando, sobre essas mães diante de uma política destruidora que faziam o jantar esperando seus filhos, que nunca mais voltariam.

Ao mesmo tempo, foram elas que se revoltaram e foram à luta com cartazes, roupas usadas e fotos nas mãos, com vontade de saber o destino de cada um deles para amenizar a dor.

Mães da Praça de Maio

Afinal, quem são essas mães? São as Madres de Plaza de Mayo (Mães da Praça de Maio). A princípio eram poucas, que já estavam cansadas de esperar.

Uma delas, Azucena Villaflor, se transformou em uma das fundadoras e líder do movimento. Tomou a frente, logo após convocou todas e todos para se reunirem na Praça de Maio.

Conseguiram, e a primeira marcha aconteceu em abril de 1977. E as Madres seguem, até hoje, todas as quintas-feiras, na mesma Praça de Maio, em frente à Casa Rosada, sede do governo.

Logo depois aconteceu o inevitável, desde 10 de dezembro de 1977, Azucena é dada como desaparecida.

A partir do primeiro encontro, a Praça de Maio se tornou o lugar onde elas se sentiam iguais – apesar de diferentes por certo a causa sempre foi a mesma.

Visto que aos poucos, o número de mulheres aumentava, o que despertou os olhares da polícia, que chegava com bombas de gás e, em poucos minutos, acabava com as manifestações.

Imprensa

Os jornais, em conivência com a ditadura, não davam notícias. O pano na cabeça, símbolo das Madres, era justamente para diferenciá-las dos demais espectadores.

Elas chegaram quase a desistir, estavam prestes a jogar a toalha, quando resolveram fazer uma associação com o nome que entrou para história pelo qual elas já eram conhecidas: Associación Madres de La Plaza de Maio.

Só para ilustrar, não era Por causa da censura, para não chamar a atenção, faziam orações e substituíam os boletins de cânticos por panfletos recheados de protestos.

Assim, tomava-se conhecimento sobre os desaparecimentos. Apesar de algumas delas terem tido o mesmo destino dos próprios filhos, foram adiante. As armas não derrotaram a voz.

Por fim “As Madres”, ganharam a mídia por insistência, mostraram o movimento aproveitando o Mundial de 1978, na Argentina, quando a imprensa internacional revelou ao mundo o que acontecia naquele país.

A partir dos anos 1980, voltaram com força total, mesmo depois de serem humilhadas, maltratadas e espancadas. Mães que queriam uma resposta, combatendo a força militar em busca da justiça.

Essas mulheres não vão e não podem ser esquecidas nunca. O grito que desperta: “Os ideais dos nossos filhos nunca morrerão”.

Universidade Revolucionária

Abraçaram várias causas sociais, têm programa de rádio e a revista ‘Ni um passo atrás!’.

E mantêm uma universidade revolucionária popular que não é reconhecida pelo governo.

Mas formam pessoas mais justas e do bem, que, com certeza, sabem que um diploma reconhecido nunca será mais importante do que dias de luta.

É isso: vamos sempre dizer não para o silêncio. É ter um ideal, existência sem igual, justiça com fidelidade em busca da verdade. A Disneylândia, caro leitor, com certeza não é aqui. Hasta !!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.