Confira nossa conversa com a Infectologista Dra. Raquel Bandeira da Silva

Tudo começou em uma viagem na época da escola para o Vale do Jequitinhonha. Onde ela teve a oportunidade de acompanhar dois médicos no dia a dia da profissão, a ginecologista Dra. Leda e o pediatra Dr. Adalberto.

Ficou encantada com a possibilidade de melhorar as condições de saúde das pessoas de uma maneira tão simples e, de poder participar de duas vidas, além disso ver de perto suas histórias e sentimentos.

Ela adora conversar e conhecer sobre o ser humano e por isso a medicina caiu como uma luva. Aliada a capacidade real de fazer a diferença. Pura gentileza, como um coração batendo no mundo.

Sim, ademais a gentileza é o jeito mais lindo de ser sol no dia nublado de alguém, colocando amor em cada peça no universo das pessoas. Entre um e outro hospital, aulas na Faculdade, maternidade e e seu consultório, ela nos concedeu essa entrevista.

Nobre leitor, acalma e fica por aqui, te convido a conhecer um pouco dessa historia não em pequenos tragos mais em grandes goles, de certo que só continuo acreditando no amor devido as pessoas do bem e que principalmente que se preocupam realmente com outro.

Raquel Bandeira da Silva

Raquel Bandeira da Silva, nasceu em Belo Horizonte, tem 34 anos, é formada em Medicina na Universidade Federal de Minas Gerais, (UFMG) e Infectologia pelo Instituto de Infectologia Emilio Ribas e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

Durante 04 anos participou do grupo de estudo em micobacteriose, com foco na tuberculose pulmonar e pesquisas com HIV/ AIDS, projeto de extensão em medicina do viajante.

No entanto, ao final da graduação fez um estágio de medicina tropical no núcleo de moléstias infecciosas da USP e decidiu fazer residência médica em São Paulo.

A escolha do Instituto de infectologia Emílio Ribas foi por ser considerado o maior hospital de infectologia da América Latina e, referência no estudo de moléstias infecciosas.

Como você se alimenta?

Sou vegetariana, mas como leite ovos e derivados. Mas como boa mineira ainda não consegui desapegar do queijo!

Dicas de uma alimentação saudável?

Evitar industrializados, preferir produtos da agroecologia.

Dicas de exames que periódicos ?

À principio, faça exame para hepatite C pelo menos uma vez na vida. Teste regulamente para HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis. Procure fazer atividade física regular, a que gostar mais. Qualquer uma é boa! Viva com alegria.

Médicos sem Fronteiras?

Ao terminar a residência me candidatei para os médicos sem fronteiras, ong a qual faço parte desde 2016 e desde então tento conciliar a vida humanitária com carreira e família no Brasil.

Um breve sobre o PrEP?

PrEP é a sigla para profilaxia pre exposição. A Profilaxia Pré-Exposição de risco à infecção pelo HIV consiste no uso preventivo de medicamentos antirretrovirais antes da exposição sexual ao vírus, para reduzir a probabilidade de infecção pelo HIV.

Traduzindo em palavras mais simples, é um comprimido que se toma todos os dias que reduz em até 95% a chance de contrair HIV mesmo se seu parceiro (a/e) for HIV positivo com carga viral indetectável e vocês tiverem relação sexual sem uso de preservativos.

Quais exames devem ser feitos

Primeiro passo para fazer a prep é fazer o exame de HIV. A prep está indicada somente para quem for HIV negativo. Além disso são solicitados exames laboratoriais para saber se existe alguma contraindicação a medicação.

Como iniciar?

Enfim, Procure um infectologista de sua confiança. O infectologista, sobretudo irá avaliar se você preenche os critérios para uso e se há alguma contraindicação ao medicamento.

Dra. Raquel Bandeira da Silva

Instagram: https://www.instagram.com/raquel_bandeira_infectologista/

Sobre Infectologie: https://www.instagram.com/infectologie/

Advertisement

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.