Dia dos Pais: expectativa dos bares e restaurantes é aumentar faturamento

Dia dos Pais

Entre os que abrem aos domingos, 81% dos estabelecimentos creem em aumento nas vendas em relação à mesma data do ano passado.

Apesar disso, o Dia dos Pais é uma data que traz boas expectativas para o setor de bares e restaurantes. Conforme apontado por uma pesquisa realizada pela Abrasel em julho, que ouviu 1.862 empresários em todo o país, 81% esperam um aumento no faturamento em relação à mesma data do ano anterior. Isso é especialmente verdade para os estabelecimentos que abrem aos domingos (apenas 13% dos entrevistados não abrem neste dia da semana), o que é uma notícia promissora para o setor.

Realidade atual

Contudo, a realidade atual ainda apresenta desafios significativos. No mês de junho, 19% dos estabelecimentos operaram com prejuízo, embora esse número tenha diminuído em 2% em relação à última pesquisa. Por outro lado, 45% tiveram lucro, e 35% conseguiram manter-se em equilíbrio financeiro (1% não responderam/não existiam em julho). Essa recuperação gradual é reflexo das dificuldades enfrentadas pelo setor durante a pandemia e suas consequências econômicas.

De acordo com o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, “do ponto de vista do faturamento, o Dia dos Pais não costuma ter a mesma potência do Dia dos Namorados e do Dia das Mães. No entanto, ainda assim devemos ter um aumento do movimento, o que é ótimo. No entanto, ainda precisamos de atenção, principalmente em relação àqueles que têm dívidas acumuladas com impostos e encargos, porque isso é uma bomba-relógio. É preciso um plano para resgate do setor mirando nas empresas em dificuldade, evitando que elas quebrem, visando manter os empregos e o potencial de investimento das empresas”.

Um dado preocupante é que mais de um terço (38%) das empresas consultadas ainda têm dívidas em atraso. Isso inclui empréstimos, dívidas com impostos ou fornecedores. Embora haja uma redução de 4% em relação ao último levantamento, esse é um indicador que requer cuidado. Dentre essas dívidas, a maioria se concentra em impostos federais (80%), impostos estaduais (54%), encargos trabalhistas/previdenciários (30%), taxas municipais (24%), serviços públicos como água/luz/gás/telefone (24%) e fornecedores de insumos (22%). O acúmulo de dívidas pode dificultar a recuperação dos estabelecimentos e representar uma barreira para o crescimento do setor.

Outro ponto destacado pela pesquisa é que quase dois terços (63%) das empresas consultadas contam com empréstimos contratados atualmente. Dentre estas, a maioria (68%) recorreu ao Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). No entanto, a inadimplência do programa no setor está bem acima da média, atingindo 19%. Isso é consideravelmente maior do que a média geral, que é de apenas 4%. Além disso, 10% dos empresários ainda não começaram a pagar as parcelas, pois estão no período de carência previsto no programa.

Lucas Machado no Instagram

Advertisement

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments