Botox: evolução no tratamento. YOO MAG CONTEÚDOS CRIATIVOS

Botox: evolução no tratamento

  • Avatar photo
  • por em 11 de julho de 2021

Botox: evolução no tratamento

Os sinais da idade surgem e o seu pensamento imediato é sobre a necessidade do botox (toxina botulínica) para amenizar os pés de galinha e as rugas? Até aí tudo bem. O ciclo desse conceito não é totalmente errado, mas o problema é acreditar que a aplicação significa milagre.

Primeiramente, é preciso entender que tal procedimento consiste num processo preventivo de paralisar os músculos. Consequentemente, impede o surgimento de novas rugas.

Mas é importante deixar claro que o tratamento é realizado em rugas dinâmicas, ou seja, aquelas marcadas devido à paralisação do músculo. Isso ajuda a suavizar as marcas fortes e, principalmente, a evitar o surgimento de novas.

Como amenizar rugas?

Contudo, é importante entender que não se trata de um tratamento para rugas fortes. Na verdade, trata-se de uma alternativa preventiva para marcas de expressões e pé-de-galinha, por exemplo.

Entretanto, se a queixa for o bigode chinês, a marca em torno da boca, a aplicação não é a indicada. Isso porque, nesse caso, é preciso realizar a técnica de preenchimento, com ácido hialurônico.

Antigamente, existia um estigma em relação à falta de expressão provocada pelo procedimento. As pessoas tinham medo da imagem robótica que poderia surgir.

Evolução no tratamento do botox

Hoje em dia, isso mudou. Os processos evoluíram e a naturalidade é a principal proposta dos tratamentos estéticos atuais. Obviamente, tudo dependerá da quantidade de material injetada, bem como do senso estético do profissional.

Em relação ao início da aplicação, não existe uma opinião, já que a formação de rugas e marcas de expressão tem aspectos distintos. Até porque, os cuidados com a pele, uso de 0protetor solar, hidratante e limpeza são fundamentais para o protocolo de cuidados.

Por isso, não basta fazer o botox e se esquecer da rotina de skin care. Cuide-se e se priorize!

Botox: evolução no tratamento

Advertisement

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.