Vida moderna e ansiedade

Vida moderna e ansiedade

Não é a toa que o Brasil foi apontado recentemente pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com um dos maiores índices de ansiedade.

Não é muito difícil descobrir o porquê, basta abrir a janela e acompanhar a caminhada de mais um morador de rua que se amontoa entre os demais na esquina coberta por uma marquise.

É só abrir o jornal, conectar a internet ou ligar a TV que chovem notícias sobre mortes, roubo, corrupção, estupro e violência contra a mulher..

Desemprego, pobreza, desvalorização da infância e o sentimento cada vez maior de que somos constantemente lesados por aqueles que deviam olhar por nós. Somos especificamente 5,1% das mulheres e, 3,6% dos homens sofrendo de ansiedade.

Cafezinho da tarde

O fato é inegável, encontre alguém na rua, em qualquer momento do dia e provavelmente nenhum de vocês terá 5 minutos para conversar. Sabe aquele cafezinho no meio da tarde?

Esquece! As pessoas acumulam tarefas e são cada vez mais exigentes e exigidas. Isso tem a ver também com a insegurança que hoje sentimos, com a preocupação com o futuro.

Não sabemos se amanhã estaremos empregados então a ordem é se esforçar e mostrar serviço para continuar na vaga, ou fazer aquele extra para garantir todas as contas pagas no fim do mês. Como não enlouquecer?

Estresse, essa é a palavra, esse é um desencadeador da ansiedade e, também da depressão.

Isso não quer dizer que qualquer pessoa estressada sofrerá com algum desses males, mas os que são mais vulneráveis a esses transtornos ou aqueles que viveram uma situação traumática.

Rotina

A insegurança, a rotina acelerada e o excesso de tarefas e demandas têm deixado a maioria das pessoas de cabelo em pé e o preço que estamos pagando por isso se torna cada vez mais insuportável, são os sentimentos que não conseguimos controlar. A ansiedade acaba por se tornar cultural.

Tudo é pra ontem e acompanhado vem o medo de não dar conta, desde a infância. Ansiedade é o medo do fracasso, o medo do futuro, uma antecipação dos acontecimentos e uma de tentativa fracassada de controlar o presente.

Ansiedade do bem

Mas ela também pode ser do bem. Desta forma, é natural nos sentirmos ansiosos antes de uma apresentação em sala de aula, uma entrevista de emprego e até mesmo antes de um encontro esperado.

É como se fosse um alerta para se prevenir, se preparar melhor para a tarefa que irá realizar.

A ansiedade se torna um problema quando limita a vida de uma pessoa, sobretudo quando as preocupações são ampliadas ou fantasiadas.

Ao mesmo tempo levando o indivíduo a ter sintomas físicos como taquicardia, dificuldade para dormir ou sudorese exagerada.

Um fenômeno vem ocorrendo nos últimos anos relacionados à ansiedade, as redes sociais. Esse é um universo de pessoas felizes e bem-sucedidas.

No entanto o hábito de acompanhar excessivamente essa “realidade fabricada” pode dar a sensação equivocada de que a vida das outras pessoas é bem mais interessante que a nossa e isso pode induzir a um pensamento de fracasso individual.

Como evitar? Não tem jeito, o que devemos fazer é conviver com esse sentimento e perceber os primeiros sinais para então colocar um freio nele.

Respiração

Enfim, atenção a respiração, o famoso inspira e expira para aliviar as tensões antes de um momento esperado e importante. Vigie os pensamentos negativos prestando atenção se têm mesmo razão de ser, se não são um tanto fantasiosos para estarem ali, ocupando um espaço precioso na sua mente.

Antes de mais nada, escreva, desenhe, escute música caso você não consiga falar abertamente sobre isso com ninguém.

Cuide da saúde mental, afinal se você estiver com dificuldades em manter a rotina não hesite em procurar um profissional da área e por último, mas não menos importante, treine a gratidão, exerça sentimentos que te valorizem, esqueça o futuro e veja o que de melhor você pode fazer pelo presente.

Sobre Lucas Machado: www.porlucasmachado.com.br

Sobre Lucas Machado Instagram: LUCAS MACHADO

Vida moderna e a ansiedade

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.