Dra. Laila Gonçalves Machado. Yoo Mag Conteúdos

Confira nossa conversa com a Dra. Laila Gonçalves Machado

Dra. Laila Gonçalves Machado

Laila, nasceu na cidade de Eunápolis na Bahia. Graduou-se em medicina na Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Campus Araguari. Fez residência médica pelo Hospital das Clínicas da UFMG.

Confira nossa conversa com uma das maiores especialistas em infectologia do Brasil.

Conta um pouco da medicina na sua vida?

Entrei na faculdade cedo, com 17 anos, estava ansiosa para ir para faculdade. Ganhei bolsa de estudos pelo PROUNI e agarrei essa oportunidade.

Eu sentia um certo preconceito das pessoas por cursar faculdade particular, e por conta disso eu tentava estudar mais e me envolver em mais projetos extracurriculares, fundei ligas acadêmicas, pedia para acompanhar meus professores em tudo. Era uma verdadeira pentelha. 

Formei na metade do ano de 2013 e comecei a trabalhar em PSF em BH.

Por mais alguns anos continuei trabalhando enquanto ainda estava cheia de dúvidas de qual especialidade fazer. Até que tive uma paciente com AIDS que acompanhei pelo posto de saúde, ela teve uma internação prolongada por complicações de infecções oportunistas, mas teve alta bem e continuou a melhorar e retomar a sua vida.

Eu percebi que era isso que eu queria, e é isso que vejo com a maior parte dos pacientes infectológicos: eles melhoram rapidamente. É muito gratificante ver o progresso deles e fazer parte de seu tratamento.

Entrei para residência de infectologia no ano de 2017, terminei em fevereiro de 2020. Assim que acabei a residência veio a pandemia, comecei a trabalhar em dois hospitais de referência em COVID em BH o Hospital Eduardo de Menezes no CTI. E no Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro como infectologista clínica e controle de infecções. Atualmente trabalho, também, no Hospital Universitário Ciências Médicas.

Como funciona sua alimentação. Como você se relaciona com a comida

Eu amo cozinhar e comer, acho que cozinhar pra alguém é um ato de amor, de cuidado.

Hoje voltei as pazes com os alimentos, por muitos anos sofri com a bulimia e compulsão alimentar. Vivia em um loop comendo quantidades de comida e depois tendo que lidar com a culpa e tentando minimizar o possível ganho de peso com hábitos bulímicos.

Há dois anos tudo piorou, o estresse da pandemia, muito trabalho e vivenciando tantas tristezas, além da necessidade de ficar afastada de amigos e familiares pelo distanciamento social, mexeu muito comigo. Pedi ajuda, e com cuidado psiquiátrico e terapia, consegui mudar minha relação com a comida e a aceitar melhor meu corpo também.

Eu e meu noivo nos revezamos para fazer café da manhã um para o outro, não pode faltar suco, fruta e ovos mexidos.

No almoço sempre fazemos um lanche mais rápido e deixamos para o jantar pra fazer algo especial, ou uma bela salada, massa ou outro prato qualquer. Estamos numa fase de querer fazer tudo na churrasqueira.

Você faz o que além do trabalho

Eu gosto de fazer trilhas até cachoeiras, receber amigos em casa, viajar e gosto de fazer playlists. 

Qual musica rola no seu playlist

Minha playlist é muito eclética, de ópera a eletrônica. Mas sou apaixonada por Rock’n’Roll. Meu pai muito fã do Eric Clapton me deu meu nome em homenagem à música Layla. Desde pequena ficávamos escutando os clássicos: Pink Floyd, Jethro Tull, Jefferson Airplane, Mutantes, entre outras bandas pelas quais sou apaixonada e me trazem boas recordações.

Livro

Cem Anos de Solidão – Gabriel Garcia Márquez

Filme

Perdidos na Noite, 1968. Tem uma ótima trilha sonora!

Uma cidade

Pergunta difícil, tem tantas cidades que amo. Sempre fui mais cosmopolita, mas a pandemia me trouxe uma vontade de estar mais conectada com a natureza e vi em Itacaré BA uma cidade com muita riqueza natural e uma energia de paz que é inexplicável.

Esporte

Faço Muay Thai há alguns anos, e sou apaixonada. Agora para ajustar melhor a minha rotina de horários, venho iniciando aulas de Boxe.

Instagram: https://www.instagram.com/lailamachado.infecto/

Dra. Laila Gonçalves Machado

Advertisement

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.