Culinária Portuguesa: bacalhau cozido com grão de bico

Culinária Portuguesa: bacalhau cozido com grão de bico

Primeiramente Meia-desfeita é um prato da culinária portuguesa, tipicamente lisboeta.

Em sintese consiste em bacalhau cozido com grão de bico.

Porém podendo ser condimentado com cebolas e alho refogados em azeite, salsa, colorau e vinagre, entre outros temperos possíveis.

Entretanto pode ou não ser acabado no forno. É possível complementar este prato com ovos cozidos e com batata cozida. Mas o bacalhau deve ser apresentado sem espinhas e desfeito em lascas.

A meia desfeita de bacalhau consiste, tal como o nome indica, é por que num prato em que o bacalhau está meio desfeito e apenas tem metade dos ingredientes.

Porém é um prato metade cheio apenas com o bacalhau, com o tempero conforme está referido em cima. Pode ou não ser acompanhado por grão que completa a outra metade do prato.

No entanto caso seja acompanhado com grão, o prato chama-se meia desfeita de bacalhau com grão.

INGREDIENTES:

  • 4 postas de Bacalhau 2500 ml Leite
  • 4 dentes de alho
  • 1kg de grão de bico
  • 2 Ovos 4 cebolas Azeitona a gosto
  • Pimenta a gosto Salsa a gosto

PREPARAÇÃO:

Primeiramente o bacalhau deve ser molhado em leite (ou água se preferir) com dois dias de antecedência para retirar o excesso de sal.

Em seguida O grão e os ovos devem ser cozidos previamente em água levemente temperada com sal.

Cozinhar o bacalhau em água temperada com sal e retirar-lhe a pele e as espinhas. Abrir em lascas e colocar, juntamente com o grão, num recipiente que possa ir ao forno, previamente aquecido a 200ºC.

Logo após Aquecer o azeite numa frigideira e ai fritar os alhos e as cebolas picadas, temperando com piripiri a gosto. Verter a cebola e o alho fritos sobre o bacalhau e o grão.  

Regar generosamente com azeite e sumo de limão e levar ao forno até o azeite começar a ferver. Retirar do forno e decorar com azeitonas, salsa picada e ovos cozidos, picados ou cortados às rodelas.

Dicas: Pode ser servido como prato frio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.