Crie suas próprias sardas

Crie suas próprias sardas

Elas são amadas ou odiadas. Sabe de quem estou falando? As sardas, aquelas pintinhas no rosto que rendem um charme danado. Elas podem ser presentes na genética ou surgirem com o tempo.

Por muito tempo, elas foram as vilãs da vitalidade. Isso porque, o surgimento das pintinhas pode ter ligação com o excesso de sol. Mas isso não significa descuido.

Obviamente o uso do protetor solar é obrigatório. Contudo, as sardas, em muitos casos, não têm ligação direta com a falta de saúde da pele.

Porém o uso do protetor para quem tem o rosto cheio de pintinhas, assim como qualquer tipo de pele, é obrigatório.

Produção junina e sardas

E como estamos em tempos juninos, nada mais típico do que o rosto pintadinho. Mesmo com o isolamento social, muita gente já deixou claro que o “São João” vai ser em casa, com muita comida quente e gostosa.

Sendo assim, vale usar bandeirolas, balão de papel e muita cor para a festa mais aguardada do calendário brasileiro.

Para a composição, vale o truque das sardinhas que é feito com maquiagem. Já ouviu da fórmula mágica que deixa o rosto pintado?

A mágica das sardas

A proposta consiste em sombra em pó e água termal. Segundo os maquiadores, tudo é muito simples. Contudo, um segredinho que merece atenção.

Para criar o efeito das sardas, primeiramente, raspe a sombra em pó na embalagem e acrescente a água termal. A quantidade certa surge no “olho” mesmo, com uma textura parecida com uma pastinha.

Agora, vem o truque dos profissionais. Você vai usar uma escovinha para aplicar máscara de cílios. Então, tenha 15cm de distância e use as pontas dos dedos para espirrar o excesso da misturinha não precisa.

Pronto, as sardinhas vão aparecer rapidamente. Não se preocupe pelas pintinhas desregulares. Até porque, as sardas de verdade são assimétricas e não correspondem a nenhum padrão.

Esbanje com as pintinhas e tenha para a produção do look junino uma inovação.

Crie suas próprias sardas

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.