Louis Vuitton: a bolsa que vale mais do que avião de verdade

Louis Vuitton: a bolsa que vale mais do que avião de verdade

O grande desafio do marketing é provocar o desejo, e lógico vender. Nesse cenário, as marcas buscam afetividade e paixão entre os usuários. Sendo assim, gerar amor pela marca é o grande propósito contemporâneo.

Dentro desse conceito, qual a sua marca do coração? Você pode ter pensado com carinho em várias marcas. Contudo, algumas conseguem entrar no seu subconsciente e te fazem viver uma experiência que chamamos de marketing sensorial. Ou seja, mexem com todos os nosso sentidos.

O desejo pela Louis Vuitton

Nesse cenário, o destaque vai para a Louis Vuitton. Segundo alguns especialistas em marketing, os produtos paralelos não incomodam, ou seja, os falsificados não são problemas/concorrentes. Será?

Até porque, quem quer uma bolsa falsificada, quando e se tiver condições financeiras comprará a original. É por isso que essa quantidade de bolsas falsificadas não incomoda a marca. Já que acabam se tornando fonte de divulgação e desejo pela Louis Vuitton original.

O nível criativo da Louis Vuitton

E, mais uma vez, a grife chega com esse foco de gerar desejo. Agora, o diretor artístico da marca, Virgil Abloh, conseguiu alcançar um nível ainda mais alto.

Na coleção outono/inverno 2021, ele trouxe inovação. Entre as peças, uma bolsa em formato exato de avião. E você vai se espantar: o valor do acessório custa US $39.000. Ou seja, R$218 mil.

A bolsa milionária e o desejo pela Louis Vuitton

A bolsa recebeu o nome de “Keepall”. Ela tem asas com motores a jato gravados com a marca valiosa Louis Vuitton. Além disso, a bolsa custa mais caro do que o avião, que veio como inspiração para o diretor-artístico da grife.

Ele falou à mídia que a coleção significava um processo autobiográfico. Porém com recursos que mostram o que é ser um diretor afro-americano na Europa.

O poder da LV

Contudo, para os críticos, essas heranças não ficaram claras na coleção. Inclusive, Virgil Abloh não é uma unanimidade no mundo da moda.

Para muitos especialistas, ele sobrecarrega as peças e muitas coleções não são completas. Apesar disso, ele está na relação da Times das 100 pessoas mais influentes do mundo. Sendo que a representatividade negra em umas das maiores grifes do mundo, no cenário atual é fundamental para a inspiração de jovens e profissionais da moda.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.