Prática de tênis e os benefícios para o corpo

Prática de tênis e os benefícios para o corpo

A rotina moderna não tem espaço para o sedentarismo. Isso porque, com a carga excessiva de estresse, esse é um dos poucos jeitos de buscar equilíbrio entre mente e corpo.

Nesse sentido, encontrar a atividade física ideal se trata de um processo individualizado. Portanto, é importante entender o seu corpo e todas suas particularidades.

Você gosta de se movimentar ao ar livre? Talvez a corrida seja um esporte legal para você. Mas se sua ligação com a água é intensa, a natação pode ser uma saída.

Esqueça o sedentarismo e tenha vida saudável

O importante é identificar o seu interesse e focar no objetivo. Em relação ao foco, o tênis pode ser uma boa saída para tirar você do sedentarismo.

O esporte é um dos mais populares praticados com raquete no mundo. Na disputa, ele pode ser jogado como profissional ou, simplesmente, como recurso de alívio de estresse.

A prática deste esporte consiste no uso da raquete. O objetivo é jogar a bolinha de um lado para o outro. Inclusive, é bom que haja preparo físico para manter a bola em jogo e evitar que ela quique mais de uma vez.

A disputa de tênis e os benefícios para o corpo

Trata-se de uma atividade física de alta intensidade. Já que há picos de velocidade e trabalho muscular de todo o corpo. Mas é importante respeitar o limite e estabelecer o seu ritmo em cada partida.

No caso da disputa é preciso controlar a mente. O equilíbrio e respeito ao adversário são essenciais. Isso ajudará na disciplina e, consequentemente, no equilíbrio emocional.

Emagreça jogando tênis!

Esse esporte ajuda muito na perda de peso. Até porque a agilidade é essencial para manter o jogo ativo. Com isso, a correria é coordenada e, com ela, há perda de peso.

O ritmo do jogo também ajuda na concentração. Afinal, você precisa rebater a bola, concentrar no jogo do adversário e lutar para que ela não quique nas intermediações do seu lado do quadro. Um trabalho duro, mas que se compensa ao fim do treino.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.