Suez: o canal do Egito que manda no comercio físico do mundo

Suez: o canal no Egito que manda no comercio físico do mundo

Você sabia que o Canal de Suez, no Egito, é fundamental para o comércio do mundo? A prova de que não há exageros nessa afirmação é evidenciado com o bloqueio recente de um navio, que paralisou o mundo.

Assim, o canal conta com passagem artificial responsável por ligar o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho. O navio Ever Given de 400 metros tinha o poder de levar mais de 20 mil contêineres de 6 metros.

O congestionamento no mar do Egito

Sendo assim, quando a embarcação estragou o congestionamento foi inevitável e paralisou o comércio do mundo. O navio ficou empacado apenas por seis dias, mas o prejuízo foi bilionário. Contudo, essa importância do canal não é recente.

Já faz anos que o Canal de Suez movimenta altos cifrões no mundo. Para se ter ideia, o processo se iniciou nos tempos dos faraós bem antes de Cristo, por volta de 1862.

A construção faraônica

Inclusive, foi o faraó Sesótris III que deu a ordem de construção do canal no Rio Nilo ao Mar Vermelho. Sendo que a intenção primária foi facilitar o comércio do Egito com a África Oriental.

Entretanto, o projeto do canal de Suez com o modelo atual só foi materializado em 1869, d.C. O audacioso projeto conta com 164 km de comprimento e 8 metros de profundidade.

Os reflexos do projeto

Durante a construção, estima-se que 120 mil pessoas tenham morrido. Depois da obra ser finalizada, o canal ligou o Egito à Índia em nada menos que 7 mil quilômetros. Ou seja, o navio não precisou mais passar por todo o continente africano para chegar.

O poder de domínio do canal é tão relevante que, em 2012, foram mais de 47 navios trafegando por dia. Ou seja, 17 mil embarcações por ano. Por isso, o navio empacado no canal paralisou o trânsito e todo o comércio do mundo.

Suez: o canal no Egito que manda no comercio físico do mundo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.