A ação vitalizante das azeitonas no corpo

A ação vitalizante das azeitonas no corpo

Elas podem surgir nas cores verde, preta e roxa. Mas cada uma com um sabor peculiar, além de benefícios únicos para o organismo.

O gostinho pode ser mais doce ou, em alguns casos, a acidez é predominante. As azeitonas podem ser usadas como petiscos ou complemento do prato. Contudo, a forma que você vai comer não importa. Já que o consumo tem ação direta no coração, estômago e ossos.

Saúde e prevenção de doenças, com sabor

Ficou surpreso? Mas isso não significa que as azeitonas precisam se tornar vilãs da alimentação. Até porque, a palavra de ordem para manter a saúde é equilíbrio e moderação.

Nesse sentido, o destaque dos benefícios do consumo das azeitonas está na ação anti-inflamatória. Entretanto, é importante ficar atento quanto aos rótulos, já que pode haver grande concentração de sal. Assim, não faz bem para a saúde e causa hipertensão.

Você conhece cada azeitona?

As azeitonas verdes depois de colhidas, passam por processo a fim de tirar o amargor. Já as azeitonas roxas são colhidas antes de ficarem completamente maduras. Enquanto, as pretas já completaram todo o processo de maturação. Assim, são mais adocicadas e ricas em energia.

Independentemente da cor, as azeitonas são ricas em vitaminas, como vitamina E, e possuem ação antioxidante. O consumo dos frutos da oliveira também ajuda a prevenir doenças degenerativas e câncer.

Os benefícios das azeitonas para o coração

Mas se você tem problemas cardiovasculares, pode começar a introduzir algumas azeitonas no seu consumo. Até porque, as azeitonas ajudam a prevenir doenças de coração e problemas do sistema nervoso.

Além disso, o consumo tem ligação à beleza e vitalidade da sua pele. Contudo, sempre é bom se lembrar das calorias que rodeiam as azeitonas. Só para ilustrar isso, em 100 gr de azeitona preta são cerca de 197 calorias, enquanto as verdes possuem 137 calorias. Então, coma com moderação e ajude a manter sua saúde!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários estão fechados.