Breakdance agora é esporte olímpico

  • Redação
  • por em 11 de dezembro de 2020

Primeiramente o Comitê Olímpico Internacional, COI, aprovou nesta segunda-feira, dia 7, que o breakdance entrará para os Jogos Olímpicos de 2024, que será realizado em Paris. Breakdance agora é esporte olímpico.

Em seguida, você precisa entender que as Olímpiadas tem 28 esportes tradicionais em sua lista.   

À princípio, essa inserção do esporte faz parte de um movimento de atualização e inovação dos jogos.

Tentativa de atrair novos públicos

Assim como o breakdance, recentemente anunciamos aqui no YOOMag que o skate também entra na lista de esportes olímpicos, com a diferença de estreia para a próxima edição, de Tóquio, em 2021. 

Juntamente com esses, integrarão a lista dos jogos a escalada e o surfe. O que alguns acharam um ultraje, principalmente para os mais conservadores. 

Porém, tem muita gente comemorando a aposta e, como já falamos, a atualização dos Jogos com a cultura do mundo.

O vôlei de praia, por exemplo, só teve sua primeira disputa Olímpica em 1996.

Quais os próximos passos?

Com a confirmação do breakdance como esporte olímpico, agora é o World Dancing Sports Federation, WDSF, que tem o compromisso de seguir adiante com todo o processo. 

O WDSF é responsável também por organizar e realizar competições de dança de salão.

Nesse sentido, o desafio do WDSF agora será em padronizar e criar regras, já que no breakdance original a sensação do público vibra com a união de um DJ e dançarino.

A influência do hip hop

No entanto, é importante lembrar da força do hip-hop na criação do breakdance. 

Seja como for, elas são complementares. O breakdance é a dança do estilo hiphop. Muita gente diz, ainda, que foi a dança que permitiu o hip hop sobreviver a década de 90.  

É que enquanto os DJs produzem seus sons nos subúrbios, becos e ruas afora, o breakdance, grafite se agregaram juntos. 

Está preparado para conferir essa nova modalidade em 2024? Até lá, vamos trazer todas as notícias para você relacionado a esse e outros esportes.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.