Surfe: Pandemia é motivo de proibição da prática em Nazaré

  • por em 25 de novembro de 2020

Ondas gigantes, surfistas e aglomeração não combinam com o atual momento do mundo. 

Tanto é que a Direção-Geral da Saúde de Portugal, anunciou no início do mês que a prática do surfe está proibida em Nazaré.

O que aconteceu

Fotos: Red Bull

A princípio no final do mês de outubro, as praias de Nazaré receberam ondas gigantes e atraíram os amantes de surfe na cidade.

No entanto pouco tempo depois, a população se aglomerou na praia para apreciar os surfistas.

Enquanto alguns filmavam tudo para colocar nas redes sociais, outros curiosos só queriam realmente ver a cena.

Afinal, as ondas eram realmente gigantes. 

Daí não deu outra: ninguém respeitou as regras de isolamento social, e a polícia portuguesa precisou intervir na situação para espantar os olheiros. 

Regra imposta

Nesse sentido, a entidade DGS também precisou se prevenir de futuras situações como essa.

E a medida imposta acabou balançando o etapa Nazaré Tow Surfing na praia, que estava para começar nos últimos dias.

Antes mesmo de a DGS proibir o surfe, a Liga Mundial de Surfe, responsável pela etapa da prova da cidade de Nazaré, já havia anunciado a definição de uma nova data para aguardar ondas de 19 metros.

Em outras palavras, tudo ainda segue no modo de espera.

Brasileiros representando

Os melhores surfistas estão aguardando o Nazaré Tow Surfing para encarar as melhores ondas da praia do distrito de Leirea. Ainda mais os brasileiros.

É que seis surfistas daqui do Brasil vão nos representar na etapa, de um total de 18 participantes já anunciados. 

Dentre eles estão Lucas Chumbo Chianca, atual campeão da prova, Rodrigo Koxa e Maya Gabeira, recordistas do Guiness Book, Michelle des Bouillons e Ian Consenza e Pedro Scooby.

Hoje mesmo, Lucas postou em seu Instagram uma foto em que dizia que Nazaré é a sua segunda casa.

Assim como ele, Maya também está em Portugal e aguarda novas informações.

Surf: Maya Gabeira bate seu próprio recorde mundial

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.