Tamara Klink: filha de velejador, velejadora é

Seu olhar é doce e seu sorriso franco. Certamente o sobrenome de Tamara já remeteu ao pai dela, famoso velejador solo, Amyr Klink.

Aos 23 anos, assim, essa jovem velejadora partiu em sua primeira aventura solo, seguindo os passos do pai.

Irmã de Laura e Marininha, foram criadas desbravando o mundo, ou os “sete mares”.

lifestyle

Sua conexão com o mar, a natureza e o seu lifestyle foram aprendidos no berço e isso fica cada vez mais nítido, então, quando o assunto é velejar.

Essa moça expansiva adora interagir com o público e contar suas experiências e, certamente, não poderia ser diferente.

Velejar

Velejar é uma conquista diária, o mar nunca é o mesmo um dia pós o outro, o tempo muda constantemente e, por outro lado, o próprio velejador não é o mesmo todos os dias.

Encarar uma navegação solo é uma decisão muito madura e importante, mas não parece deixar Tamara insegura.

Ela encara os desafios com coragem, alegria e determinação.

Tamara e seu veleiro desbravam, dessa forma, com muita determinação, as águas internacionais.

Sua rota foi definida entre a Noruega e a França e sua viagem tem duração prevista de 30 dias, chegando em outubro no destino.

Destemida, mas experiente velejadora, estava numa travessia com uns amigos e ao chegar à Noruega decidiu comprar um barco e voltar sozinha para a França. Loucura? Não, DNA.

Além disso, a velejadora estuda arquitetura naval na França. Nada mais próprio do que decidir por uma navegação solo.

Será um grande momento de aprendizado e amadurecimento.

Cuidando para adernar o barco, ajustando as velas. A boreste, bombordo, estibordo… afinal, quem não gostaria de um desafio desses?

Por certo, a primeira de muitas travessias solo e aventuras que comporão a biografia dessa Klink, que pegou o pai de surpresa e agora é ele quem fica apreensivo por notícias da filha, sentimento antes tido por sua mãe.

O mar agitado de sua rota fez com que a programa tenha paradas estratégicas, mostrando, dessa forma, que a moça é também consciente e atenta.

Por fim, em sua conta do Instagram (@tamaraklink) a jovem velejadora compartilha sua localização, fotos e sentimento. Aliás, ela também escreve muito bem.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.